Viúva de militar diz que ligação de Trump a fez 'chorar ainda mais'

Viúva de militar diz que ligação de Trump a fez 'chorar ainda mais'

Geral

Aviúva de um soldado americano que morreu no Niger no início de outubro disse nesta segunda-feira (23) que a ligação do presidente americano Donald Trump para prestar condolências apenas a fez "chorar ainda mais".

Em entrevista à rede de TV ABC, Myeshia Johnson -mulher do sargento La David T. Johnson- disse que Trump não lembrava o nome de seu marido e que a ligação a deixou chateada.

"O presidente disse que ele [o marido] sabia no que se alistou, mas machuca do mesmo jeito. Isso me fez chorar ainda mais" disse ela, que está grávida de seis meses do terceiro filho do casal.

"Eu estava muito irritada com o tom de sua voz e o modo como ele falou isso. Ele não conseguia lembrar o nome do meu marido. Ele só lembrou o nome quando disse que estava com o relatório do meu marido em mãos, só aí ele disse La David", afirmou ela.

Myeshia afirmou ainda que "não tinha nada a dizer ao presidente".

Após as declarações, Trump usou suas contas em uma rede social para responder. "Eu tive uma conversa respeitosa com a viúva do sargento La David Johnson e falei seu nome desde o início, sem hesitação", disse ele.

O sargento e outros três militares americanos morreram após um ataque feito por um grupo afiliado ao Estado Islâmico no país africano no dia 4 de outubro.

Logo após a morte do militar, a deputada democrata Frederica Wilson disse que ouviu a ligação de Trump para a viúva e criticou a fala do presidente, dizendo que ele foi desrespeitoso.

Trump respondeu atacando Wilson e disse que ela não sabia do conteúdo da ligação.

Nesta segunda (23), Myeshia confirmou que Wilson estava ao seu lado quando recebeu a ligação de Trump. Ela disse que Wilson "é praticamente um membro da família".

As duas estavam em um carro em direção a um aeroporto para encontrar o caixão de La David quando Trump ligou.

Segundo a viúva, ela colocou a ligação no viva-voz, e por isso Wilson ouviu a conversa.

O caso fez aumentar as críticas em relação ao tratamento dado por Trump às famílias de militares mortos.

Trump chegou a dizer que seu antecessor, Barack Obama, não ligava para as famílias, o que aliados do democrata desmentiram.

CAIXÃO

Além da polêmica sobre Trump, Myeshia também criticou o fato de não ter sido autorizada a ver o corpo do marido morto.

"Eu não sei o que está naquele caixão. Até onde sei, pode estar vazio", afirmou.

Segundo ela, os militares não explicaram exatamente como seu marido morreu ou como foi o ataque. Com informações da Folhapress.

Leia Também

Envie seu Comentário

© Impacto Rondônia 2017 - Todos os Direitos Reservados.

Newsletter

Cadastre seu email e receba nossos boletins diariamente.

Back to Top